quinta-feira, 30 de junho de 2011

História de amor real iniciada pela internet: Marcela e Júlio!

Posted by O amor está na rede On 17:24 10 comments

Olá!

Volto agora para contar a história de amor real, com FINAL FELIZ, de Marcela Gonçalves, iniciada pela internet.

Antes de encontrar seu atual marido, Júlio, a Marcela ainda teve uma segunda história de amor que não deu certo (a primeira foi relatada aqui: http://www.oamorestanarede.com.br/2011/06/historias-de-amor-reais.html). Gosto de ilustrar isso porque, assim, as pessoas não ficam achando que tudo vai dar certo na primeira tentativa. Portanto... Não desanime! Com um pouco de paciência e persistência... o amor pode estar à distância de um clique!

História de amor iniciada pela internet
Foto fornecida pela Marcela, de seu arquivo pessoal

JÚLIO – Uma experiência que deu certo
Continuava na sala de bate papo, não com a mesma frequência, não tinha o mesmo ânimo, nem a mesma expectativa de encontrar alguém que valesse a pena. Comecei a entrar com outros nomes (coisa que não fazia até então) e a jogar conversa fora, omitindo fatos, idades, ou seja, era um passatempo prosaico. E foi numa dessas brincadeiras que o destino me pegou. Conheci Júlio, meu marido, faz 10 anos. Era um sábado, duas horas da tarde, e eu estava saindo do trabalho. Foi uma conversa recheada de besteirol, muito mais pornográfica do que amistosa ou inteligente. Nem sei porque ele me pediu o telefone antes que saíssemos da sala de bate papo, nem sei porque eu dei, e nem sei porque ele me ligou na hora, só sei que nos falamos por 2 horas. Ele era de Brasília, separado recentemente, com um filho e pensando em ir embora para os EUA. Cinco anos mais novo que eu, bem humorado, altíssimo astral, e muito inteligente.
Conversávamos como se fossemos velhos conhecidos. Nossa relação por muito tempo foi pautada apenas na amizade, nenhum de nós dois permitiu que ela se desviasse para outro caminho. E, talvez por isso, surgiu uma enorme confiança entre nós, conversávamos sobre tudo, dividíamos tudo, nossos problemas, nossas conquistas, nossas dúvidas e anseios.
Virtualmente, nos tornamos cúmplices e parceiros. Até que um dia, depois de uns três meses, liguei para lhe dar os parabéns pelo seu aniversário, e quem atendeu o celular se identificou como sendo sua esposa. Só aí entendi que estava apaixonada por ele. Sofri, e não o procurei mais, não entrei mais na net, não atendi mais seus telefonemas. Ele ficou desesperado, mandava milhões de emails se justificando, ligava sem parar, e aí eu entendi que ele também estava muito mais envolvido do que imaginava. Ele me disse que voltara para esposa fazia menos de um mês e só por causa do filho, e que não me contou com medo de que eu sumisse, pois seus momentos de paz e alegria se resumiam à minha companhia virtual. Resolvi não desistir dele. Voltei a ligar, a escrever, voltamos a compartilhar as nossas vidas. Em pouco tempo ele se separou definitivamente. Resolvi esperar um pouco antes de ir ao seu encontro, queria ter certeza do final do seu casamento. Foram mais três meses.
Desci no aeroporto tremendo por dentro e por fora. Ele me esperava sorrindo e eu tive a certeza que dessa vez era para valer. Nosso encontro foi uma das coisas mais bonitas que tenho na lembrança. Viajamos sozinhos e desse dia em diante nunca mais nos separamos. Curioso que em nenhum dos meus outros encontros eu fui sozinha, tinha o cuidado de me proteger, mas com ele não, ele já estava mesmo no meu destino. Ele se mudou para minha cidade, meus filhos ganharam um paizão e eu um amor, um companheiro, um amigo, um amante, um cúmplice. Temos uma filha linda de sete anos.
Eu sempre aconselho as pessoas a entrar nas salas de bate papo da internet, a enfrentar a famosa tela fria do computador porque do outro lado pode ter, senão um amor, uma boa companhia, um bom amigo. É muito mais fácil encontrar pessoas afins em um ambiente virtual do que em um bar lotado de pessoas. É claro que pode acontecer das pessoas estarem ali mentindo, enganando, brincando, mas e nas noites, isso não ocorre?
Eu sou um exemplo real, e conheço vários outros de que investir em um relacionamento virtual vale à pena. E descobrir que a tela fria do computador pode não ser tão fria assim.
Viram como o amor está na rede??? Apesar de eu achar que ela não deveria ter ido ao encontro dele (ainda mais sozinha), fico feliz que tudo tenha dado certo no final!

Desejo muitas felicidades ao casal.

Beijos de Erica Queiroz; O amor está na rede!!!

10 comentários:

Pois então Érica, só hoje percebo o risco que corri indo a esse encontro absolutamente sozinha e longe do meu "território". Gente! que perigo! Mas ainda não tinha você para nos "guiar" nos caminhos dos relacionamentos virtuais, amiga...Graças a Deus tudo correu muito melhor do que sonhei. Mas, meninas NÃO façam o que eu fiz! Há meios seguros de se encontrar o amor pela net, como ensina nossa querida Érica!
Bjos

Gostei de ler sobre essa história.
Abraço.

Oi minha linda!
Adorei ler o "desfecho" feliz da história e persistência da Marcela! Acho que essa felicidade que ela desfruta hoje merece ser contado mesmo, como exemplo e inspiração para muitas pessoas que perderam a fé na vida e em si mesmas!
Grande beijo,
Jackie

Eu tb conheci meu atual companheiro na net. Ele mora em Portugal e eu, assim como a Marcela, vim do Brasil sozinha para encontra.lo. Acreditei no sentimento mutuo que ambos afirmavamos ter qdo o nosso contato era apenas virtual. Estou ha pouco mais de um mes em Pt decidida a viver esse amor...estamos providenciando a documentacao necessaria para o nosso casamento. (Maria)

@Marcela

Oi, querida!

Pois é, quando ficamos mais maduras, olhamos para coisas que já fizemos de outro modo - talvez não as fizéssemos hoje, não é mesmo?

Mas o importante é que tudo deu certo e hoje podemos prevenir outras pessoas quanto às formas como podem se precaver.

Mil beijos e muitas felicidades,

Erica

@Fatima

Oi, Fatima.

E não é a mesma coisa com os relacionamentos iniciados no mundo não-virtual? Temos sempre que nos proteger pois, afinal, somos a pessoa mais importante do nosso mundo! ;-)

Beijos,

Erica

@Jackie

Oi, amiga querida!

Verdade... A Marcela é um grande exemplo de que, se acreditarmos, podemos conseguir tudo nesta vida. Também precisamos ter paciência e persistência porque, salvo raríssimas exceções, ninguém acerta de primeira, né?

Mil beijos,

Erica

@Maria

Oi, Maria! Que coragem de ir a Portugal encontrá-lo, hein? Mas fico feliz que a história de vocês esteja indo bem e espero que sejam muito felizes!!!

Beijos,

Erica

olá,a sua historia é bem parecida com a minha,hoje só tenho que agradecer a Deus,por colocar esse homem tão maravilhoso,Francisco Acácio,é com ele quero passar o final de minha vida.TE AMO ACÁCIO,POR TODA A MINHA VIDA.OBRIGADA

Postar um comentário