quinta-feira, 24 de março de 2011

Todos somos inteiros: não precisamos do outro para nos completar!

Posted by O amor está na rede On 16:25 25 comments

Boa tarde, amigos!

Quase sempre que estou oferecendo coaching a alguém, ouço esta frase mágica, principalmente das mulheres: "sozinha não sou nada; preciso de alguém para me completar".

Sabiam que isso é a mais pura bobagem? Não, você não precisa de ninguém para te completar. Você se completa sozinho(a). Você não é um quebra-cabeças cheio de pecinhas perdidas por aí que estarão presentes (todas elas, imagine só!) no corpo de outro alguém. As peças estão todas em você e talvez você apenas precise rearranjá-las, para que tudo comece a fazer sentido.

Os seres humanos têm o hábito de colocar nas mãos do outro toda a responsabilidade por sua felicidade e segurança. Mas, enquanto não perceberem que não é o outro que pode trazer essa felicidade e essa segurança, serão sempre infelizes: sempre faltará algo, sempre estarão na busca incansável e frustrante por algo... que jamais se realizará!

Essa sensação de estar completo só acontece dentro de cada um de nós. Perceba uma coisa: quando você está bem, seja porque seu trabalho vai bem ou porque conseguiu perder alguns quilos (ou por qualquer outra razão), você deixa de lado todas as "ranhetices" e "picuinhas" de que costuma lançar mão no dia a dia. Você não se importa se seu namorado(a) só te ligou uma vez naquele dia - e não as três que você costuma exigir -, não fica procurando, numa festa, quem está mais bem vestida(o) que você e não está nem aí se não tiver companhia para sair no sábado à noite, porque você vai só ao cinema ou aluga um belo filme para se divertir ao lado da melhor companhia do mundo: a sua!

O que muita gente não percebe é que nada que venha de fora vai trazer essa felicidade. Sim, por alguns momentos passageiros, pode ser. Um carro, uma viagem e até mesmo um doce enorme: não passam de prazeres momentâneos que, na hora em que acabam, despertam uma nova e mais profunda tristeza. Aquela sensação mais verdadeira de paz e felicidade só vem de dentro de nós mesmos!

Não espere o outro para mudar. Mude antes do outro chegar. A recepção será bem melhor! :)

Dica de Erica Queiroz; O amor está na rede!!!

25 comentários:

Perdi alguma coisa que me era essencial, e que já não é mais. Não me é necessária, assim como se eu tivesse perdido uma terceira perna que até então me possibilitava de andar mas que fazia de mim um tripé estável. Essa terceira perna eu perdi. E voltei a ser uma pessoa que nunca fui. [...]

Esse trecho escrito por Clarice Lispector, diz tudo qto a necessidade de vivermos sem muletas que são as dependências emocionais. É preciso coragem para viver de uma maneira que à primeira vista pode parecer que estarmos"aleijadas", mas depois descobre-se o poder de superação. Viver sem essa 3ªperna, permite descubrir potenciais antes escondidos.

Verdade pura. O outro pode nos decepcionar, a gente não decepciona a gente mesma.
Bjs
Telma

Perfeito! hoje, casualmente, fiz um post dizendo quase o mesmo.

É isso aí.
beijos, querida. Obrigada

Maria Marçal - Porto Alegre - RS

Aprendo cada dia mais que a nossa felicidade vem do nosso coração dos nossos bons sentimentos, ou seja de dentro para fora! Ela habita no coração de cada um, só cabe a nós saber usar essa felicidade, muitos acham que estão em outras pessoas, mas não sabem o poder que elas tem sobre esse sentimento! Ótimo artigo Erica! Grande beijo!

Érica, se voc~e soubesse como eu compactuo desta idéia.... e faço dela uma filosofia de vida.
E complementaria dizendo que também não devemos deixar e nos envaidecer se alguém tentar fazer de nós a sua razão de viver.... estamos caindo no mesmo problema e deixando a felicidade se sentir bem confusa....hehehe
Beijo no coração

Adorei o post... Se pudesse votava mais vezes! ;O)
Um abraço

Oi Erica,
Também penso como você. Tudo que vivenciamos são oportunidades de aprendizado. Eu creio que quem procura se completar no outro provavelmente ficará sozinho até perceber que é um ser pleno. Daí então, lição aprendida, conhecerá um amor, que não virá para completar, mas para somar, porque o melhor relacionamento é aquele que é composto por duas pessoas, e não por duas metades.
Abraço

Olá querida amiga!

Sua mensagem é bem propícia. Quando nos amamos temos um brilho especial que nos aproxima mais das pessoas e de nós mesmos. É um erro transferir ao outro a responsabilidade de sua felicidade... ela está dentro de nós e precisamos acreditar nessa luz para que o mundo acredite em nós.

Parabéns pela postagem!

Bjokas
Gisele

Discordo, em termos, da opinião dada neste artigo! Sim, é verdade que, em suma, a felicidade depende sim de nós mesmos, mas, também, depende do outro, pois, algo que nos faz sentir bem e feliz é a relação, a ajuda, o bem querer ao outro, seja numa amizade ou numa paixão!!!
Por mais que nos sitamos realizados em um dado aspecto, que dependa somente de nós, a felicidade só será completa quando os vário aspectos de que é constituída nossa vida, estiverem satisfeitos, e, isso passa por áreas em que a presença do outro e a participação dele em nossa vida, se torna essencial, primordial!!!
Digo isso, por experiencia própria: sempre me senti muito realizado, tando em termos acadêmicos quanto em termos profissionais, mas, foi somente com a entrada em minha vida dos amigos e, mais recentemente, de alguem de quem gosto mais e mais a cada dia, que senti que minha felicidade se tornou completa!!!
Por isso eu digo: não temos todas as pecinhas do nosso quebracabeças... a última, sempre está as mãos daquele ou daquela que será a borboleta a vir habitar o nosso jardim!!!

Oi minha querida amiga e Coach!
Eu também concordo! Ninguém pode ser feliz com "metades", ora essa! Somos todos inteiros e completos dentro de nós mesmos. Ainda hoje comentei que de nada adianta querermos amar demais e encontrar em outra pessoa aquilo que sequer conseguimos oferecer a nós! Existem complementos ou experiências que nos ajudam a crescer, enxergar a vida de outras formas, mas ninguém pode viver por nós! As pessoas são carentes e buscam, normalmente no outro aquilo que não encontra dentro de si. Daí as insatisfações e frustrações devido às expectativas demasiadas (outro assunto que sempre insisto!). Colocar o peso dessa responsabilidade para que alguém nos complete, considerando de antemão que somos "defeituosos", com certeza não é a melhor forma de se iniciar uma relação.
E concordo com você também, quando coloca que ao estarmos de bem com a vida (leia-se:consigo mesmo) as pessoas terão muito mais chances, não de encontrar no outro a sua felicidade, mas descobrir-se "completa" o bastante para compartilhar com o outro a própria felicidade!
Bravo, minha linda! Adorei!
Grande beijo,
Jackie

@Marcela

Oi, Marcela. Que linda essa sua reflexão sobre o trecho de Clarice Lispector.
Às vezes, incorporamos algo (ou alguém) à nossa vida de tal forma que achamos que não podemos mais viver sem aquilo. São os vícios... Como cigarros, álcool e até mesmo a dependência do amor alheio. Verdade que, num primeiro momento, muita gente vai se sentir aleijada. Mas quando descobrir esse poder da superação, a pessoa se sentirá capaz de tudo, será um novo ser, com uma força inabalável!
Obrigada por sempre deixar meu blog mais bonito!
Beijos,
Erica

@Telma

Olá, Telma. Ah, você não se decepciona consigo mesma? Tem certeza? Nunquinha (rssss)?
A maioria das pessoas exige demais de si e, por não ser capaz de atingir muitas das coisas a que se propôs, acaba ficando frustrada e desapontada...
Grande beijo,
Erica

@Maria Marçal

Oi, Maria. Tudo bem?
Que coincidência... Depois passo lá na sua página para ver.
Beijos,
Erica

@Cla

Oi, Clarice.

Às vezes, a gente demora um pouco para aprender que a felicidade está em nossos corações e mentes, mesmo porque é muito mais fácil e cômodo jogar toda e qualquer responsabilidade em cima do outro. Mas na hora em que nos damos conta disso, temos o poder de mudar tudo e desfrutar o delicioso prazer da nossa própria companhia!
Beijos,
Erica

@Valéria

Oi, querida!
Que bom que você faz disso uma filosofia de vida. E achei muito importante esse ponto que você levantou: o de não deixar subir à cabeça o excesso de vaidade gerada por alguém que faz de nós a sua razão de viver. É uma via de mão dupla - nós não somos a razão de viver de ninguém e vice-versa - essa, sim, é a verdade!
Grande beijo,
Erica

@Carla

Olá, Carla. Fico muito feliz que tenha gostado do post.
Já que não pode "votar" mais vezes, pode "voLtar" mais vezes, rs. Te espero!
Beijos,
Erica

@Cleide

Querida Cleide!
Que palavras mais lindas... Adorei a parte final; parece até frase de Clarice Lispector: que o relacionamento é composto por duas pessoas e não por duas metades. Sim, as pessoas ficam por aí, "meio cheias" ou "meio vazias", mas pela metade. E não percebem que o que está faltando está no lugar mais fácil de se achar: dentro delas. 1/2 + 1/2 = 1, mas 2 inteiros é algo bem melhor, mais completo e mais satisfatório!
Beijos,
Erica

@Gisele

Oi, Gi. Esse lance do brilho especial é a mais pura verdade. Quando nos sentimos assim, somos a estrela mais brilhante de toda a constelação. E é só deste modo que estamos completos, não colocando a responsabilidade da nossa felicidade na mão do outro!
Beijos,
Erica

@Carlos Eduardo

Oi, Carlos. Concordo com você que um amor nos deixa mais felizes, mas, como falo no texto, mesmo um grande amor pode, de certa forma, fazer parte das alegrias momentâneas. Pense no caso de você perder o seu trabalho, por exemplo. A sua mulher (marido) vai te deixar completo? Não. Porque você não estará bem consigo mesmo, estará frustrado e achando que falhou. É nessas horas que percebemos que o outro não tem nada a ver com a nossa completude. É claro que o outro pode nos ajudar e nos dar apoio num momento difícil, mas somos nós e somente nós mesmos que podemos nos reerguer, mudando nosso modo de pensar e agir. Se você fosse um bolo, eu diria que a pessoa especial é a cobertura, que o deixa mais bonito, mais alegre, mais atraente. Mas por melhor que seja essa cobertura, não vai adiantar nada se o recheio do bolo estiver estragado...
Abraços,
Erica

@Jackie

Oi, amiga! Infelizmente, nos dias de hoje, as pessoas estão aceitando até menos que metades. Elas ficam tão cegas buscando a felicidade no outro que não percebem que isso é ilusório e que a felicidade só é obtida dentro de cada um. E, assim, acabam deixando de viver...
Eu concordo com você que alguém pode vir para acrescentar, mas somente acrescentar - jamais para completar. Sempre ficará faltando algo, que só pode ser encontrado num mergulho bem profundo dentro de nós mesmos, onde enfrentamos nossos mais obscuros medos, mas depois nos reerguemos seguros e completos!
Mil beijos,
Erica

Olá querida, bela postagem, parabéns, porém devo ressaltar algo, não que sejamos totalmente dependentes, mas sem o outro não há razão de existirmos, imaginemos um mundo habitado por mim, será uma maravilha não acha? Faça um teste e fique um ano lonje de tudo e de todos, sem medo de errar digo que, o exagero nesse ponto é uma das armas mais letais contra as nossas vidas, somos seres sociais e precisamos um do outro sim, garanto que se não houvesse alguém para falar sobre a sua postagem ou se você estivesse empolgadíssima para contar a alguém o texto que produziu, em si, acha que vai arrazar, foi a maior produção, vai postar e passam-se os dias e ninguém sequer escreve uma vírgula, bate a tristeza, angústia, solidão, sentimento de que foi abandonado, que ninguém se importa contigo, sente-se um caco; não existo sem a outra parte de mim e, essa parte de mim é você e todos aqueles que nos quer sempre bem, principalmente o nosso criador.

Oi, Rangel.
Concordo que precisamos fazer trocas com os outros (e nos relacionar com eles, obviamente!), mas elas servem para abrir nossos olhos quanto a realidades distintas das nossas sendo que, muitas vezes, podemos ate mudar nossa opinião. Elas servem para acrescentar, mas não para nos complementar.
No entanto, estou falando de algo maior, daquela sensação de completude que um elogio ao meu post não irá trazer, entendeu? É algo mais profundo, mais íntimos, que só eu mesma seria capaz de despertar em mim!
Beijos e obrigada pela colaboração,
Erica

Olá Erica,
Esse texto é rico em informações e, acima de tudo, fala sobre uma grande verdade.
Quando se depende de alguém para ser feliz ou se sentir completo, estamos lidando com uma situação de baixa auto-estima.
A pessoa que tem uma auto-estima sente-se bem, sozinha ou acompanhada.
Obviamente, é inegável que uma boa companhia faz bem a todos nós. Mas muitas pessoas têm um parceiro e nem por isso se sentem felizes. Ainda assim, não têm coragem de tomar um novo rumo na vida, já que se tornaram dependentes emocionalmente.
Enfim, seria possível escrever tantas coisas a respeito.
Mas sejamos felizes!!
Abraços
PD

Oi, PD!

É isso mesmo: quem tem autoestima elevada, não precisa de outras pessoas para se garantir!

E o fato de que muitas pessoas têm parceiros e não são felizes mostra que realmente não é o outro que vai nos completar.

E o mais triste é a falta de coragem para tomar esse novo rumo mesmo: por medo de arriscar, não conseguem descobrir que o novo pode ser muito melhor!

Obrigada pela participação no blog!

Abraços,

Erica

É isso mesmo Erica,
Somos carentes e isso leva-nos a pensar que precisamos do outro para preenchermos essa carência.
Se conseguíssemos libertar do sentimento de solidão da angústia da tristeza do vazio etc., poderíamos verificar que não dependemos tanto do outro para sentirmos bem.
Um pequeno aumento de energia ás vezes é suficiente para nos tornarmos mais autónomos e bem dispostos..
Uma coisa é estar junto e desfrutar da companhia do outro e viver feliz, outra é, depender desta companhia para sentirmos felizes.
Foi bom você ter repetido esta verdade.
Adorei o seu artigo.
Bem haja
Tiago

Postar um comentário